Pular para o conteúdo principal

A INDÚSTRIA DE VIDEOJOGOS PÓS-COVID 19

Só em março de 2020, os gastos com videojogos bateram US$ 10 bilhões. Só em março! Em um único mês!!!

Para se ter uma ideia do crescimento da facturação desta indústria ao longo dos anos, em 2007, o mercado de videojogos mundial movimentou 10,7 mil milhões de dólares. Em TODO o ano!

De acordo com pesquisa da SuperData, consultoria especializada no mercado de games, o isolamento social foi o principal fator para que as marcas de março fossem alcançadas. 

E como um mercado pode vender tanto com as pessoas isoladas em casa?

A resposta é simples: este valor foi obtido, basicamente, através da venda de cópias digitais de jogos. O jogo Animal Crossing: New Horizons para Nintendo Switch foi o game mais vendido no período mas a venda de jogos para smartphones e tablets representaram mais da metade da facturação do período, com 5,7 mil milhões de dólares.

E como fica a indústria de videojogos pós-COVID 19?
Muitas das coisas que fazemos, fazemos por hábito. E, durante o período de confinamento, muitas pessoas que não tinham (ou que deixaram) o hábito de jogar videojogos, passaram (ou voltaram) a jogar. Não é difiícl imagimar que muitos levarão estes hábitos consigo para a vida pós-pandemia.

A aposta da GAMEscola Portugal é que esta situação que estamos a viver hoje vai influenciar positivamente o mercado de videojogos no futuro, mesmo com a possibilidade de diminuição da renda das famílias.

Em tempos de crise, é comum a valorização do entretenimento. E, ao contrário do que muitos podem pensar, os videojogos são opções de diversão para toda família e para todos os bolsos. Apesar do novo Animal Crossing ser encontrado nas lojas por cerca de 60 euros, há muitos jogos disponíveis, especialmente para as plataformas móveis, que custam menos de 1 euro. Isto sem falar nos videojogos gratuitos que, além de renderem muitos euros para seus criadores através da publicidade "in-game", também facturam (e muito) com a venda de conteúdo adicional para o jogo, as famosas micro-transações.

Se queres entrar para este mercado como desenvolvedor, a GAMEscola Torres Novas estará, em breve, de volta às suas atividades normais, a abrir suas portas para os futuros desenvolvedores de jogos portugueses.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O VÍCIO EM VIDEOJOGOS

Em nosso artigo sobre a indústria dos videojogos pós-COVID 19, nós falamos, inclusive, sobre pessoas que criaram ou retomaram o hábito de jogar videojogos durante o confinamento. E quando este hábito vira vício? E quando o vício atinge os mais pequenos, o que fazer? Achas que tu ou alguém da tua família está a sofrer com o vício em videojogos?
Para o psicanalista e fã de videojogos, Renato Pereira, "há alguns comportamentos que são indicadores" de um comportamento obssessivo, ou seja, um vício comportamental:
1. Ficar inquieto ou irritado quando não se está a jogar. Perguntas simples podem deixar a pessoa irritada; 2. Grande variação de humor em um curto espaço de tempo. Isto pode acontecer dependendo do resultado alcançado no jogo; 3. Mentiras relacionadas ao jogo ou ao ato de jogar; 4. Preocupação constante e exarcebada; 5. Ações que a pessoa normalmente não faria, incluindo até mesmo atos ilegais; 6. Isolamento social.
A Organização Mundial da Saúde - OMS, já considera a obsessão…

OS BENEFÍCIOS DE APRENDER A CRIAR VIDEOJOGOS

Como se cria um videojogo? Por mais que não saibas como é o processo, cremos que não imaginas que seja um algo muito “automatizado”, pois não? Certamente não pensas que basta carregar em alguns botões, escolher umas personagens e já está. Pelo menos nós da GAMEscola esperamos que não.
Primeiramente, criar um videojogo é essencialmente diferente de jogar um videojogo. É claro que é muito comum que os desenvolvedores de jogos sejam, também, apaixonados por jogar. Para falar a verdade, não nos recordamos de ter conhecido algum desenvolvedor que não gostasse de videojogos. Seria como conhecer um mecânico especializado que não fosse um entusiasta por automotores ou um chef de cozinha que não fosse apaixonado pela gastronomia.

Nos exemplos acima, fica subentendido que a um mecânico não basta saber conduzir, assim como a um chef de cozinha não basta gostar de comer. Relativamente aos videojogos também não basta ser um bom jogador. Para ser um bom desenvolvedor de jogos, é necessário deter alg…