Pular para o conteúdo principal

O VÍCIO EM VIDEOJOGOS

Em nosso artigo sobre a indústria dos videojogos pós-COVID 19, nós falamos, inclusive, sobre pessoas que criaram ou retomaram o hábito de jogar videojogos durante o confinamento. E quando este hábito vira vício? E quando o vício atinge os mais pequenos, o que fazer? Achas que tu ou alguém da tua família está a sofrer com o vício em videojogos?

Para o psicanalista e fã de videojogos, Renato Pereira, "há alguns comportamentos que são indicadores" de um comportamento obssessivo, ou seja, um vício comportamental:

1. Ficar inquieto ou irritado quando não se está a jogar. Perguntas simples podem deixar a pessoa irritada;
2. Grande variação de humor em um curto espaço de tempo. Isto pode acontecer dependendo do resultado alcançado no jogo;
3. Mentiras relacionadas ao jogo ou ao ato de jogar;
4. Preocupação constante e exarcebada;
5. Ações que a pessoa normalmente não faria, incluindo até mesmo atos ilegais;
6. Isolamento social.

A Organização Mundial da Saúde - OMS, já considera a obsessão por videojogos e jogos de internet como um problema de saúde mental. No website da Organização é possível encontrar a seguinte orientação:

"Para que o transtorno dos jogos eletrônicos seja diagnosticado, o padrão de comportamento deve ser de gravidade suficiente para resultar em um comprometimento significativo nas áreas de funcionamento pessoal, familiar, social, educacional, profissional ou outras áreas importantes. Também deve ser observado regularmente por pelo menos 12 meses".
Para a Psicóloga e Psicoterapeuta, Inês Mataquando um psicólogo recebe crianças e adolescentes a queixarem-se do vício nos videojogos, o primeiro passo é sempre identificar e localizar o espaço ocupado por estes na vida dos pacientes.

"É muito comum que crianças com dificuldades de sociabilização busquem nos jogos uma forma de escudo protetivo e criem um mundo particular no qual tudo se torna possível e as fantasias de auto-empoderamento, tão importantes para a constituição infantil, ganham espaço", explica Inês.

"Mas não só isto, muitas vezes, anestesiar-se a jogar por horas a fio, pode significar também que as crianças e adolescentes estão a ´fugir´ emocionalmente. Por isto, é importante uma escuta clínica de qualidade que busque identificar as questões sociais, familiares e cognitivas do paciente em busca das melhores soluções", completa.

Inês acredita que inciativas como as promovidas pela GAMEscola podem ajudar:

"Quando bem acompanhados e orientados, os videojogos podem proporcionar estímulo ao raciocínio lógico, matemático, controle afectivo e também para a sociabilização. A GAMEscola contempla o estímulo ao uso recreativo dos jogos para além do desenvolvimento de competências como criatividade, expressividade e identificação de grupo", explica a profissional.

"Assim, é importante que estejam atentos aos vossos filhos para que os jogos sejam promotores de benefícios ao desenvolvimento deles. Caso perceba no seu filho o uso inadequando dos jogos, busque, antes de mais nada, verificar o contexto da sua criança. Escutá-lo, dar a ele espaço de fala, irá ajudar a melhor compreender o que se passa. E, se ainda assim não o conseguir ajudar, busque o apoio psicológico adequado", complementa,

"Lembre-se que os jogos por si só não são apenas bons ou maus, o uso que fazemos deles é que dita o espaço que irão ocupar nas nossas vidas", conclui a psicóloga Inês Mata.

Fábio Gonçalves, pai de dois miúdos alunos da GAMEscola que venceram a competição mundial de desenvolvimento de jogos Global Game Jam 2020, conta que seu filho mais velho ia mal na escola devido à falta de interesse nas actividades escolares. Mas diz que tudo mudou depois que o filho começou a estudar o desenvolvimento de videojogos. Além da melhora no rendimento escolar, até mesmo o tempo nos videojogos de forma recreativa diminuiu:

"Hoje, apenas 10% do tempo em frente ao computador é dedicado a jogar. 90% das vezes em que ele utiliza o PC é para programar", conta Fábio.

E o melhor é que nem o pai dos miúdos e nem a GAMEscola precisaram "forçar" nada. Esta mudança ocorreu naturalmente.

"Eu tentei forçar antes mas não adiantou. Eles tem o tempo deles. Forçar não resulta. Mas os pais precisam ser persistentes, precisam colocar a criançada para estudar", completa Fábio.

Mas se tu perceberes que, de facto, alguém da tua família está mesmo a apresentar um comportamento que parece obssessivo, não deixe de procurar ajuda profissional. Em Portugal há, inclusive, iniciativas de terapias online como, por exemplo, o OnDivan.net.

Queres conhecer a GAMEscola? Visita nosso site: gamescola.pt/torresnovas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A INDÚSTRIA DE VIDEOJOGOS PÓS-COVID 19

Só em março de 2020, os gastos com videojogos bateram US$ 10 bilhões. Só em março! Em um único mês!!!
Para se ter uma ideia do crescimento da facturação desta indústria ao longo dos anos, em 2007, o mercado de videojogos mundial movimentou 10,7 mil milhões de dólares. Em TODO o ano!
De acordo com pesquisa da SuperData, consultoria especializada no mercado de games, o isolamento social foi o principal fator para que as marcas de março fossem alcançadas. 
E como um mercado pode vender tanto com as pessoas isoladas em casa?
A resposta é simples: este valor foi obtido, basicamente, através da venda de cópias digitais de jogos. O jogo Animal Crossing: New Horizons para Nintendo Switch foi o game mais vendido no período mas a venda de jogos para smartphones e tablets representaram mais da metade da facturação do período, com 5,7 mil milhões de dólares.
E como fica a indústria de videojogos pós-COVID 19? Muitas das coisas que fazemos, fazemos por hábito. E, durante o período de confinamento, muita…

OS BENEFÍCIOS DE APRENDER A CRIAR VIDEOJOGOS

Como se cria um videojogo? Por mais que não saibas como é o processo, cremos que não imaginas que seja um algo muito “automatizado”, pois não? Certamente não pensas que basta carregar em alguns botões, escolher umas personagens e já está. Pelo menos nós da GAMEscola esperamos que não.
Primeiramente, criar um videojogo é essencialmente diferente de jogar um videojogo. É claro que é muito comum que os desenvolvedores de jogos sejam, também, apaixonados por jogar. Para falar a verdade, não nos recordamos de ter conhecido algum desenvolvedor que não gostasse de videojogos. Seria como conhecer um mecânico especializado que não fosse um entusiasta por automotores ou um chef de cozinha que não fosse apaixonado pela gastronomia.

Nos exemplos acima, fica subentendido que a um mecânico não basta saber conduzir, assim como a um chef de cozinha não basta gostar de comer. Relativamente aos videojogos também não basta ser um bom jogador. Para ser um bom desenvolvedor de jogos, é necessário deter alg…