Pular para o conteúdo principal

OS BENEFÍCIOS DE APRENDER A CRIAR VIDEOJOGOS

Como se cria um videojogo? Por mais que não saibas como é o processo, cremos que não imaginas que seja um algo muito “automatizado”, pois não? Certamente não pensas que basta carregar em alguns botões, escolher umas personagens e já está. Pelo menos nós da GAMEscola esperamos que não.

Primeiramente, criar um videojogo é essencialmente diferente de jogar um videojogo. É claro que é muito comum que os desenvolvedores de jogos sejam, também, apaixonados por jogar. Para falar a verdade, não nos recordamos de ter conhecido algum desenvolvedor que não gostasse de videojogos. Seria como conhecer um mecânico especializado que não fosse um entusiasta por automotores ou um chef de cozinha que não fosse apaixonado pela gastronomia.


Nos exemplos acima, fica subentendido que a um mecânico não basta saber conduzir, assim como a um chef de cozinha não basta gostar de comer. Relativamente aos videojogos também não basta ser um bom jogador. Para ser um bom desenvolvedor de jogos, é necessário deter algumas competências, tais como:

1. Criatividade;
2. Imaginação;
3. Capacidade de Inovar;
4. Raciocínio Lógico;
5. Pensamento Crítico;
6. Capacidade de Expressão;
7. Facilidade em lidar com diferentes situações;
8. Saber trabalhar em equipa.

Albert Einstein já dizia que “a imaginação é mais importante que o conhecimento”. Isto porque a criatividade e a imaginação são competências criativas, ou seja, são as competências que permitem ao detentor CRIAR. E, num futuro onde muitas profissões deixarão de existir, sendo absorvidas por soluções tecnológicas, serão as profissões que se utilizam de mais criatividade as mais perenes.

Então, ainda que o teu objetivo final não seja trabalhar a criar jogos, é importante entender que o aprendizado desta área irá desenvolver as 8 capacidades listadas acima, entre outras.

E és pai e teu filho está a buscar esta área, já podes comemorar! Ainda que ele não venha a trabalhar diretamente com o desenvolvimento de jogos, estará, sem dúvidas, a desenvolver competências essenciais para qualquer área do mercado de trabalho.

Gosta de desenvolver estas competências?
Então #VemPraGAMEscola! Sabe como em gamescola.pt/torresnovas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O VÍCIO EM VIDEOJOGOS

Em nosso artigo sobre a indústria dos videojogos pós-COVID 19, nós falamos, inclusive, sobre pessoas que criaram ou retomaram o hábito de jogar videojogos durante o confinamento. E quando este hábito vira vício? E quando o vício atinge os mais pequenos, o que fazer? Achas que tu ou alguém da tua família está a sofrer com o vício em videojogos? Para o psicanalista e fã de videojogos, Renato Pereira, "há alguns comportamentos que são indicadores" de um comportamento obssessivo, ou seja, um vício comportamental: 1. Ficar inquieto ou irritado quando não se está a jogar. Perguntas simples podem deixar a pessoa irritada; 2. Grande variação de humor em um curto espaço de tempo. Isto pode acontecer dependendo do resultado alcançado no jogo; 3. Mentiras relacionadas ao jogo ou ao ato de jogar; 4. Preocupação constante e exarcebada; 5. Ações que a pessoa normalmente não faria, incluindo até mesmo atos ilegais; 6. Isolamento social. A Organização Mundial da Saúde - OMS, já considera a o

GAMEscola Jam Torres Novas 2020

Torres Novas recebeu a primeira competição de desenvolvimento de videojogos da região: a GAMEscola Jam. Foi um dia especial para os 19 participantes que vieram do Entroncamento, de Tomar, de Minde, Vila Nova da Barquinha, Abrantes, Golegã, Santarém e, é claro, Torres Novas. Eles tiveram apenas 3 horas para desenvolver um videojogo completo. E o tema era uma surpresa, revelada no início da competição. A GAMEscola Jam foi promovida pela GAMEscola, uma escola dedicada ao desenvolvimento de videojogos e aplicações com sede na StartUp Torres Novas. O Vereador do município de Torres Novas, o professor Joaquim Cabral, comentou a experiência de ser um dos jurados da competição: " Há uns meses eu já tinha estado nas escolas numa atividade de promoção por parte desta empresa, a GAMEscola. Penso que a experiência é enriquecedora. Estou a gostar e muito satisfeito por ver esta dinâmica e todo este interesse dos nossos jovens neste projeto desta empresa, facto pela dinâmica, pelos inscritos qu

A Empregabilidade no setor de Videojogos em Portugal

Muitas das pessoas que procuram a GAMEscola Portugal para aprender a programar videojogos nos questionam: e quanto à empregabilidade? Quais são as saídas profissionais? Em primeiro lugar, o mercado de desenvolvimento de videojogos em Portugal existe. Ainda é pequeno, mas existe. Aliás, para Ricardo Cesteiro, co-fundador do estúdio Camel 10, "pequeno" é um adjetivo "simpático" para definir o mercado de videojogos portugueses. Para ele, trabalhar com videojogos em Portugal "não é fácil mas é possível". Aos 38 anos, Cesteiro é um veterano nesta área. Há 14 anos deixou um trabalho como consultor informático na banca para se arriscar a tempo inteiro na paixão dos videojogos. Em 2009, depois de uma tentativa falhada, ajudou a fundar a Camel 101, que é hoje uma pequena empresa com três pessoas a tempo inteiro. Desenvolve tanto jogos casuais (por exemplo, puzzles para encontrar objectos no fundo do oceano), como jogos de mistério com narrativas mais complexas.  Al