Pular para o conteúdo principal

GAMEscola Jam Torres Novas 2020

Torres Novas recebeu a primeira competição de desenvolvimento de videojogos da região: a GAMEscola Jam. Foi um dia especial para os 19 participantes que vieram do Entroncamento, de Tomar, de Minde, Vila Nova da Barquinha, Abrantes, Golegã, Santarém e, é claro, Torres Novas. Eles tiveram apenas 3 horas para desenvolver um videojogo completo. E o tema era uma surpresa, revelada no início da competição.


A GAMEscola Jam foi promovida pela GAMEscola, uma escola dedicada ao desenvolvimento de videojogos e aplicações com sede na StartUp Torres Novas.

O Vereador do município de Torres Novas, o professor Joaquim Cabral, comentou a experiência de ser um dos jurados da competição:

"Há uns meses eu já tinha estado nas escolas numa atividade de promoção por parte desta empresa, a GAMEscola. Penso que a experiência é enriquecedora. Estou a gostar e muito satisfeito por ver esta dinâmica e todo este interesse dos nossos jovens neste projeto desta empresa, facto pela dinâmica, pelos inscritos que há e pelos trabalhos bonitos que estão a fazer", explica o Vereador. "São muito bem vindas estas iniciativas destas empresas ligadas às novas tecnologias, ao digital. Todas são poucas aquelas que vem até nós, que vem para nossa StartUp e que fazem trabalhos também com as nossas escolas. É muito importante apostar nesta área das novas tecnologias para o futuro", completa.

Quem quiser conhecer os participantes e saber como foi a competição pode assistir ao vídeo oficial abaixo:


Mais informações sobre a GAMEscola podem ser obtidas no website gamescola.pt/torresnovas, ou através do telefone 937 572 282.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O VÍCIO EM VIDEOJOGOS

Em nosso artigo sobre a indústria dos videojogos pós-COVID 19, nós falamos, inclusive, sobre pessoas que criaram ou retomaram o hábito de jogar videojogos durante o confinamento. E quando este hábito vira vício? E quando o vício atinge os mais pequenos, o que fazer? Achas que tu ou alguém da tua família está a sofrer com o vício em videojogos? Para o psicanalista e fã de videojogos, Renato Pereira, "há alguns comportamentos que são indicadores" de um comportamento obssessivo, ou seja, um vício comportamental: 1. Ficar inquieto ou irritado quando não se está a jogar. Perguntas simples podem deixar a pessoa irritada; 2. Grande variação de humor em um curto espaço de tempo. Isto pode acontecer dependendo do resultado alcançado no jogo; 3. Mentiras relacionadas ao jogo ou ao ato de jogar; 4. Preocupação constante e exarcebada; 5. Ações que a pessoa normalmente não faria, incluindo até mesmo atos ilegais; 6. Isolamento social. A Organização Mundial da Saúde - OMS, já considera a o

A Empregabilidade no setor de Videojogos em Portugal

Muitas das pessoas que procuram a GAMEscola Portugal para aprender a programar videojogos nos questionam: e quanto à empregabilidade? Quais são as saídas profissionais? Em primeiro lugar, o mercado de desenvolvimento de videojogos em Portugal existe. Ainda é pequeno, mas existe. Aliás, para Ricardo Cesteiro, co-fundador do estúdio Camel 10, "pequeno" é um adjetivo "simpático" para definir o mercado de videojogos portugueses. Para ele, trabalhar com videojogos em Portugal "não é fácil mas é possível". Aos 38 anos, Cesteiro é um veterano nesta área. Há 14 anos deixou um trabalho como consultor informático na banca para se arriscar a tempo inteiro na paixão dos videojogos. Em 2009, depois de uma tentativa falhada, ajudou a fundar a Camel 101, que é hoje uma pequena empresa com três pessoas a tempo inteiro. Desenvolve tanto jogos casuais (por exemplo, puzzles para encontrar objectos no fundo do oceano), como jogos de mistério com narrativas mais complexas.  Al